Numa compra superior a 20€ receba grátis uma garrafa para o seu bebé QUERO

  • Página inicial
  • O Blogue
  • Cicatrisation - Tudo o que precisa de saber sobre o tratamento – Você Pergunta / Nós Respondemos

Conselhos de dermatologistas, opiniões de especialistas, vídeos, descubra tudo o que precisa de saber para uma pele saudável e luminosa.

TUDO O QUE PRECISA DE SABER SOBRE O TRATAMENTO – VOCÊ PERGUNTA / NÓS RESPONDEMOS

Cica-model

VOCÊ PERGUNTA / NÓS RESPONDEMOS

A CICATRIZAÇÃO OCORRE DA MESMA FORMA EM TODAS AS PESSOAS ?

Não, a cicatrização é específica de cada pessoa, devido a desigualdades multifatoriais individuais1:
- A Idade é um primeiro parâmetro com uma vantagem em idades “extremas” que propiciam uma melhor cicatrização. De facto, a pele das crianças pequenas e dos idosos cicatriza melhor do que a das pessoas em fases de vida intermédias.

- Fatores genéticos: há “cicatrizadores” rápidos e lentos; as peles negra e asiática estão expostas a um maior risco de hiperpigmentação pós-inflamatória e cicatrizes hipertróficas ou quelóides.

- O local, como o “V” torácico que apresenta o risco de cicatrização hipertrófica.

- Outros fatores atrasam a cicatrização, tais como a diabetes, a subnutrição, a obesidade, o tabagismo, o stress, os defeitos vasculares, os tratamentos farmacológicos, etc.).

Porém, este atraso na cicatrização pode ser reduzido através do tratamento adequado da cicatriz:

- Boa intervenção cirúrgica inicial (em caso de cirurgia)

- Boa gestão do processo de cicatrização desde os primeiros momentos da mesma

- Massagens com movimentos de alisamento da área cicatricial

- Utilização de fotoproteção

- E, por fim, tratar devidamente de quaisquer anomalias de cicatrização, conforme e quando necessário.

 

UMA FERIDA CICATRIZA MAIS DEPRESSA EXPOSTA AO AR?

A presença de uma crosta significa que a ferida está mal hidratada e irá levar mais tempo a cicatrizar ou deixará marcas, sobretudo se a crosta for retirada. De facto, o fluido naturalmente presente nas feridas contribui para a cicatrização das mesmas.

Há duas medidas importantes a observar:

- Manter um ambiente húmido, em que os agentes e fatores da cicatrização de feridas possam atuar.

- Respeitar o microbioma (todas as bactérias boas presentes na pele), porque a sua função é essencial ao processo de cicatrização.

A aplicação de um creme irá manter o ambiente húmido ou fazer sair a crosta que estava a impedir a entrada de micróbios!

É SEMPRE NECESSÁRIO DESINFETAR UMA FERIDA?

Em princípio, quando se trata de uma ferida básica e superficial (ex.: um arranhão), as recomendações atuais são de lavar as feridas básicas com água e sabão e não aplicar antisséticos e/ou antibióticos que possam abrandar o processo de cicatrização.

DEVO APLICAR UM PENSO NA MINHA CICATRIZ?

Apenas aplique um penso se for provável que a ferida fique exposta a sujidade ou sujeita a fricção contínua. Se a ferida for mais profunda, apresentar hemorragia ou exsudado, pode ser aplicado um penso, mas é importante informar o seu médico.

POSSO TOMAR BANHO ENQUANTO A FERIDA ESTÁ A CICATRIZAR?

Mesmo que a ferida esteja protegida, evite nadar no mar e na piscina, bem como tomar banhos que impliquem imergir a ferida por longos períodos de tempo. Dê preferência a duches se tiver feridas e cicatrizes recentes. Em caso de dúvida, consulte o seu médico.

A PARTIR DE QUANDO POSSO APLICAR CREME NA MINHA CICATRIZ?

Assim que a ferida tiver fechado, os pontos tiverem sido retirados e não houver hemorragia ou exsudado, é possível e recomendável aplicar um creme cicatrizante na pele previamente limpa.

É NORMAL SENTIR DOR OU COMICHÃO NA MINHA CICATRIZ?

É frequente que a área cicatricial possa provocar comichão, sobretudo no início, mesmo que não seja sistemático. As sensações de desconforto/tensão podem também fazer parte dos efeitos posteriores, mas é raro ter uma dor acentuada e prolongada. Qualquer dúvida que tenha, é vivamente recomendado consultar o seu médico. Uma cicatriz hipertrófica será inicialmente tratada com pensos de silicone e/ou compressão. Após um ano pode ser considerada a aplicação intralesional de injeções com corticosteróides.

POR QUE TENHO DE MASSAJAR A MINHA CICATRIZ?

É necessário massajar a área enfraquecida com um creme oleoso ou óleo para amaciar a pele e evitar, tanto quanto possível, marcas permanentes na mesma. Enquanto a área estiver vermelha, isso significa que o processo de cicatrização ainda está em curso, sendo essencial a massagem diária.

QUANTO TEMPO DEVO AGUARDAR ANTES DA EXPOSIÇÃO SOLAR?

Evite a exposição solar da área afetada, o máximo possível, durante 6 meses. De qualquer forma, deve ser sempre aplicado um protetor solar com FPS 50+ durante, pelo menos, 1 ano após o início do processo de cicatrização. Os raios UV podem pigmentar de forma irreversível as cicatrizes recentes.

O QUE POSSO FAZER SE A CICATRIZ FOR ESTETICAMENTE DESAGRADÁVEL?

Dependendo da gravidade da lesão inicial, uma cicatriz pode, por vezes, manter-se de forma permanente. Por vários motivos pode ser esteticamente desagradável e implicar a consulta de especialistas, dependendo dos motivos do desconforto:

- O formato:

o Cicatrizes hipertróficas: regridem muitas vezes por si só; daí o benefício da compressão e massagem.

o Cicatrizes quelóides (semelhantes a garras de caranguejo): são muitas vezes resultado de uma predisposição genética e difíceis de gerir.

o Cicatrizes atróficas (defeito de espessamento): massagens/alisamentos, tratamento com lasers fracionados não ablativos que estimulem a remodelação dérmica.

- A cor:

o Hipocromia: é muitas vezes temporária e desaparece após a exposição ao sol.

o Eritema e telangiectasias: melhorado com lasers vasculares.

o Hiperpigmentação: mais comum em doentes com pele negra ou asiática, mesmo com uma boa fotoproteção. Pode experimentar-se o tratamento com fortes dermocorticóides, com ou sem hidroquinona, mas com cuidado.

 

_____

Por Dr. LE Guyadec
Dermatologista no hospital Percy em CLAMART (92)

_____

[1] (AMICI J.M et al. (2016) « How to optimize scarring in dermatologic surgery? » Annales de Dermatologie et de Vénéréologie Volume 143, n° S2 pages 20-2

< Voltar aos artigos